Guapiaçu

Adolescente de 15 anos é detida suspeita de latrocínio de idoso em Guapiaçu (SP)

autor: Luiz Aranha

Publicado em

COMPARTILHE!  

Uma adolescente de 15 anos foi detida no fim da noite desta última quarta-feira (05/05/2021), suspeita de cometer um latrocínio contra um idoso de 70 anos. Waldermar Mazetti foi encontrado morto e enterrado em uma fábrica abandonada de Guapiaçu (SP).

Segundo a Polícia Militar, a menina, que é usuária de drogas, se apresentou na delegacia de Guapiaçu acompanhada da mãe e confessou o assassinato. Para os policiais ela disse que teria sido contratada pelo idoso, pelo valor de R$ 20, para um programa em uma fábrica de cadeiras abandonada.

No local, com requinte de crueldade, agressão e muita violência, ela contou que estrangulou a vítima com um cinto até a morte. Para matar o idoso, ela disse que teve a ajuda de um maior de idade, morador de rua.

Ela afirmou ainda que outro adolescente, também de 15 anos, teria ajudado a arrastar a vítima para fora do galpão e enterrar o corpo no terreno da fábrica. Em seguida eles teriam fugido levando R$ 70 em dinheiro, que estava na carteira da vítima, para usar drogas.

Para a polícia o adolescente negou envolvimento no crime e foi liberado pelo delegado Marcelo Ferrari. O morador de rua, que já foi identificado, está foragido. A adolescente foi apreendida e está à disposição da justiça.

Waldemar estava desaparecido desde a última terça-feira (04/05), onde seu corpo foi encontrado enterrado no terreno da fábrica ontem à tarde pela Polícia Militar. De acordo com o Boletim de Ocorrência, a vítima estava enrolada em uma coberta, com o cinto amarrado no pescoço, estrangulada, com as mãos amarradas e sangue na região do nariz e também anal.

Ainda segundo o documento policial, a polícia chegou até o local depois que o neto da vítima, que estava à procura do avô desde o desaparecimento, teria sido surpreendido por uma mulher na frente da residência de familiares, afirmando que estava sendo acusada de envolvimento no desaparecimento do idoso. Após breve discussão, ela contou que teria ficado sabendo que havia um corpo desovado atrás da tal fábrica de cadeiras.

A mulher foi levada para a delegacia, ouvida e também liberada. O corpo de Waldemar ainda está no Instituto Médico Legal (IML) de Rio Preto e deverá ser liberado à família nesta quinta (06/05). O caso ainda continua sendo investigado.