Rodovia Washington Luís é eleita a melhor do país; no geral avaliação mostra que rodovias brasileiras pioraram em relação ao ano passado

Posted by at 14:45 Comments Print

No ranking divulgado na última quarta-feira (24) pela Confederação Nacional do Transporte (CNT), coloca a SP-310, mais conhecida como Rodovia Washington Luís, a melhor do país. Nos números gerais mostra que a qualidade das rodovias brasileiras pioraram em relação ao ano passado.

A parte da rodovia que corta a RAG (Região de Abrangência da Gazeta) eleita a melhor foi próxima do término dela, na cidade de Limeira. Mas o trecho da Rodovia Washington Luís que liga São José do Rio Preto (SP) a Limeira (SP) foi classificado como o sexto melhor do país.

Curiosamente, até a 21ª posição, o ranking só conta com rodovias com gestão pedagiada. Foram avaliados 95.707 quilômetros, sendo 62,7% ou 60.008 km estão em condições péssimas, ruins e regulares. Já 27,4% estão em bom estado e 9,9% em ótimo. Os números comparados com os de 2011 mostram que houve piora nas estradas nacionais, quando 57,4% foram classificadas como regulares, ruins ou péssimas.

Para fazer a análise, 17 equipes de pesquisadores da CNT percorreram todas as rodovias federais e as rodovias estaduais mais relevantes do Brasil, ampliando em 2.960 km a extensão avaliada na comparação com o que foi feito em 2011. Para fazer a avaliação, foi levado em conta os seguintes critérios: qualidade de pavimentação, sinalização e a geometria da via.

Se em 2011 a sinalização era considerada ótima ou boa em 43,1% das rodovias, esse número foi reduzido para 33,8% este ano. A geometria da via também registrou queda, embora de menor percentual. Em ótimo ou bom estado eram 23,2% do total, agora são 22,6%. O único quesito com melhorias foi o de pavimento. As rodovias avaliadas como ótimas ou boas neste ponto passaram de 52,1% do total para 54,1% nesta edição.

Ainda sobre a sinalização, o levantamento mostra que ela é satisfatória (ótima ou boa) em 33,7% da extensão avaliada, sendo que 60,6% dela conta com acostamento e 88,1% tem predominância de pista simples de mão dupla.

De 2011 para 2012, houve aumento de 28,1% na quantidade de rodovias com faixa central desgastada ou inexistente; de 27,7% de faixas laterais desgastadas ou inexistentes e acréscimo de 36% de erosões na pista. Além disso, em 20.279 km há placas totalmente cobertas pelo mato, o que representa 21,2% da extensão rodoviária pavimentada.

Tipos de rodovias

O estudo avaliou 65.273 km de rodovias federais e 30.434 km de rodovias estaduais sendo que, dessas, 80.315 km estão sob gestão pública e 15.392 km sob gestão de concessionárias.

Enquanto apenas 27,8% das rodovias sob gestão pública estão em ótimo ou bom estado, o percentual positivo das rodovias concedidas é de 86,7%.

Regiões e estados


No Sudeste, foram avaliados 27.187 km de rodovias; no Nordeste, 26.739 km; No Sul, 16.842 km; Centro-Oeste, 14.546 km e, no Norte, 10.393 km.

O levantamento também mostra os resultados por estado e também no Distrito Federal. A unidade com o maior percentual de rodovias em ótima situação é São Paulo, com 49,9% do total, seguida por Rio de Janeiro (20,6%) e Paraná (18%).

Os estados com maior percentual de estradas em péssimas condições são o Acre (38% do total), Roraima (25,3%) e Amazonas (22,5%).

Foto: Diogo De Maman / Arquivo Gazeta do Interior

 

Cidades Destaques Últimas Notícias , , ,

Related Posts