Recém-formados não satisfazem as empresas

Posted by at 9:13 Comments Print

Depois de pelo menos quatro anos de faculdade, nada como receber o diploma, jogar o capelo para o alto e assumir um posto de trabalho desafiante e bem remunerado naquela empresa que está na lista das melhores para se trabalhar. Parece o roteiro perfeito, mas não passa de um sonho para a maioria dos recém-formados. Insatisfeitas com a capacitação que os estudantes receberam na universidade, quase metade das empresas (48%) não preenchem as vagas com iniciantes no Brasil.

Do outro lado, a resposta não é muito diferente: apenas 45% dos universitários acreditam estar bem preparados para o mercado. Os dados são do estudo “Educação para o trabalho: desenhando um sistema que funcione”, feito pela consultoria multinacional McKinsey & Company e divulgado pela Confederação Nacional da Indústria e pelo movimento Todos pela Educação.

Mesmo quando se consegue o emprego, a história nem sempre termina bem para os graduados. De acordo com a professora Dâmaris Cristo, psicóloga e coaching da Central de Carreiras da Universidade Positivo, o aluno ou recém-formado é contratado por suas aptidões técnicas e demitido por apresentar comportamentos inadequados. “É comum ouvir gestores reclamando da falta de comprometimento dos mais jovens, indicando que há certa insubordinação e pouco empenho em atingir resultados.”

As mudanças no mundo corporativo também influenciam essas relações. Uma pessoa considerada bem preparada há 20 anos precisaria de mais habilidades para ter o mesmo reconhecimento hoje, lembra Antonio Raimundo dos Santos, diretor de Educação do Isae/FGV. “Antes, você fazia um milhão de vezes a mesma coisa e aprendia. Hoje, você faz um milhão de coisas de uma vez só e sabe ou não sabe. Não dá tempo de aprender na prática”, afirma.

Desafios

Entre as conclusões do relatório estão três grandes desafios para reverter o quadro: a melhora do ensino nas universidades, a criação de mais oportunidades para a formação prática dos estudantes e investimento em treinamento dos funcionários por parte das empresas. “Temos vários casos de empresas que querem jovens com potencial, entrevistam muitos candidatos, mas acabam partindo para um profissional sênior. Elas pagam 40% a mais porque escolhem alguém que vai dar um retorno mais rápido”, resume Carlos Contar, diretor regional da consultoria Business Partners.

(Foto e fonte: Ivonaldo Alexandre /Gazeta do Povo)

Destaques Geral Últimas Notícias , , , ,

Related Posts