Prefeitura de Bady Bassitt camufla terceirização de serviço de água e vai pagar R$ 2,2 milhões para empresa

Posted by at 8:30 Comments Print

Em mais uma manobra política, o prefeito de Bady Bassitt, Luiz Antonio Tobardini, decidiu terceirizar o serviço de água e esgoto da cidade. Para isso, a empresa que for contratada vai receber R$ 2,2 milhões por ano.

O processo licitatório foi aberto e o edital divulgado no site da prefeitura no final de 2018. O documento de concorrência pública prevê a contratação de empresa especializada em prestação de serviços técnicos de engenharia para operação e manutenção dos sistemas de abastecimento de água e esgotamento sanitário, do sistema comercial e crescimento vegetativo.

A empresa deverá realizar a execução de atividades relacionadas ao gerenciamento, operação e manutenção dos sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário, serviços complementares de melhoria, reforma, ampliação dos sistemas, administração e gestão do sistema comercial, incluindo a disponibilização dos recursos.

Para isso, a prefeitura vai desembolsar R$ 2.219.905,65 por ano. O pagamento será mensal no valor estimado de R$ 154.502,43, mais R$ 30.489,71 por serviço complementar executado e/ou fornecimento de materiais, mediante prévia autorização do Município.

Segundo o edital, por se tratar de valor médio este poderá variar para mais ou para menos, com medição condicionada ao fornecimento e/ou serviço efetivamente executado, devidamente comprovado e atestado por servidor da Administração Pública.

Entre os recursos exigidos pela prefeitura no contrato está a disponibilização de mão de obra, materiais, veículos, ferramentas e equipamentos para realização dos serviços de reparo nas unidades componentes dos sistemas de abastecimento de água e esgoto, incluindo: adutoras, redes de distribuição, ramais, cavaletes e hidrômetros; redes coletoras.

Conforme o Portal Gazeta do Interior mostrou no ano passado, a falta de funcionários e estrutura do departamento de água e esgoto de Bady faz com que as contas de água e esgoto dos moradores todos os meses venham um valor fixo. Prejuízo para os cofres públicos e também para o bolso do consumidor.

Mostramos o caso da vendedora, Tatiane Souza, que tem uma casa no bairro Jardim Panorama que está fechada desde março e desde então a conta de água vem todos os meses no valor de R$ 36,90.

“Eu estou morando em outra cidade e essa minha casa esta fechada. Quando fui à casa pegar as contas, encontrei uma funcionária da prefeitura entregando as contas e fui questionar o porque a da minha mãe que mora na frente veio R$ 25 com quatro pessoas e a minha fechada R$36,90. Aí foi quando ela me disse que a prefeitura não está realizando a leitura porque estão sem funcionários”, disse.

Com isso, todos os meses as contas de todas as casas são emitidas com o valor igual, independente da quantidade de água usada nas residências. Tatiane reclama ainda da falta de fiscalização da prefeitura.

“Tem um terreno próximo a minha casa que foi invadido e fizeram ligação direta na água, pois não possui registro do terreno e não tem como instalar hidrante. Infelizmente puro descaso, pois uns pagam as contas dos outros”, disse na época.

A falta de estrutura faz também com que bairros sofram constantemente com a falta de água. Um dos problemas mais graves acontece no bairro Jardim Califórnia.

De acordo com a prefeitura, o poço entregue não atende a necessidade do bairro e, por isso, o loteador foi notificado para que as adequações necessárias fossem feitas. Moradores ficaram um mês sem água por causa de uma bomba queimada, porém constantemente falta água.

Potirendaba, com praticamente a mesma quantidade de moradores, arrecadou no ano passado o valor de R$ 2.477.465,36 com tarifa de água e esgoto. As despesas com manutenção, funcionários e equipamentos ficou em R$ 1.233.953,99. Na cidade não há falta de água e o sistema de abastecimento funciona normalmente e quase sem reclamações.

Os envelopes com as propostas para a contratação da empresa em Bady deveriam ser entregues até o último dia 06/09/2018, às 10h. Um dia antes, a prefeitura informou à Gazeta através de sua assessoria de imprensa que o processo licitatório seria suspenso e que será republicado o certame, com uma nova data para a abertura dos envelopes.

Questionado o motivo, a prefeitura disse que uma das empresas fez um questionamento sobre o edital e “como a administração é a maior interessada na transparência do processo, optou por responder e republicar o edital”, afirmou.

Na última sexta-feira (11/01/2019) a prefeitura de Bady disse que o processo licitatório deve ser finalizado em dez dias e que a semana que vem deve ser apresentada a empresa vencedora.

(Foto: Luiz Aranha/Gazeta do Interior)

Cidades Destaques Últimas Notícias ,

Related Posts