Panetones mantém preços do ano passado e vendas aumentam até 15% em Potirendaba

Posted by at 9:18 Comments Print

Comerciantes de Potirendaba estão satisfeitos com as vendas de panetones neste final de 2018. O preço congelado de 2017, fez com que as vendas aumentassem em até 15% com relação ao Natal passado.

O comerciante, Renato Maluf, tem supermercados em Potirendaba e também em Nova Aliança e comenta que as vendas do produto tem sido satisfatórias. “Notamos que os preços vieram iguais aos do ano passado e automaticamente mantivemos para o consumidor final, onde isso fez com que as vendas aumentassem de 10 a 15% de um ano para o outro”, diz.

A encarregada de compras de outro supermercado da cidade, Aline Siqueira Dourado, afirma que já teve que reforçar o estoque. “Tivemos um aumento grande na procura por chocotones e linhas especiais de algumas marcas. Como recebemos produto com preço antigo, mantivemos o preço e as vendas só aumentaram”, afirma.

Quem não fica sem o tradicional panetone nesta época do ano é o aposentado, Antonio Ferreira da Silva. Encontramos ele em um dos comércios levando quatro caixas do produto, de uma só vez.

“Eu não vejo a hora que chega o período de Natal para poder comprar panetone. É um produto delicioso que não pode faltar na mesa do café da manhã em casa. Quando está próximo de acabar o período, corro no mercado e já garanto alguns para ir consumindo ao longo dos meses”, diz.

Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos, Massas Alimentícias e Pães e Bolos Industrializados (Abimapi), o alimento está presente em 53% das casas brasileiras e apresenta sabores e recheios para todos os gostos: trufados, com gotas de chocolate, com doce de leite, goiabada e, claro o tradicional, com frutas cristalizadas.

O panetone, sempre presente como uma tradição na ceia de Natal e nos cafés da manhã, também se tornou opção de presente. Cerca de 21,4% dos lares foram presenteados com a iguaria natalina, no ano passado.

Entre novembro de 2016 a janeiro de 2017, aproximadamente 29 milhões de pessoas compraram o alimento. Consequentemente, o volume das vendas também cresceu: ano passado foi 13% maior que no anterior, com 19 milhões de toneladas. O ano de 2017 movimentou R$ 600 milhões com o produto, 15% a mais que 2016.

(Foto: Luiz Aranha/Gazeta do Interior)

Destaques Economia Últimas Notícias , , , ,

Related Posts