Macacos são vítimas da falta de informação sobre febre amarela

Posted by at 10:34 Comments Print

A preocupação com a febre amarela e a desinformação estão levando pessoas a um crime: elas matam macacos. É um animal que não transmite a doença e que é importantíssimo para as autoridades sanitárias.

O filhote está se recuperando depois de ser apedrejado. A mãe não resistiu. Desde o fim de 2017, 13 macacos que sofreram algum tipo de violência chegaram ao Parque Ecológico de São Carlos (SP). Cinco morreram. E tem sido assim em várias partes do Brasil, desde que os casos de febre amarela aumentaram.

Em Potirendaba, dois animais foram encontrados mortos vítimas de atropelamento. Segundo a chefe da vigilância epidemiológica da cidade, Luana Poiana, um dos animais foi encontrado com fratura exposta, o que leva à crer ter sido espancado.

Todos os macacos encontrados mortos vão para um laboratório para investigação de doenças em animais. Só no estado do Rio de Janeiro, durante o mês de janeiro, os pesquisadores já examinaram mais de 130 macacos, um recorde de 60 anos do laboratório. O mais triste é que, de cada dez casos, sete são de animais mortos por pedradas, pauladas, envenenamentos e queimaduras.

“Trabalho há 22 anos como médica veterinária e 15 anos dentro deste hospital veterinário. E eu nunca vi na história deste hospital uma violência, tamanha violência, contra uma espécie como nós estamos vivendo hoje aqui”, disse Márcia Rolim, subsecretária de Vigilância Sanitária e Controle de Zoonoses do Rio.

Além dos saguis, espécies ameaçadas de extinção, como bugios e até micos-leões-dourados, estão sendo alvo de ataques. Mas os especialistas alertam: os macacos não transmitem a febre amarela; são tão vítimas da doença quanto nós.

Em áreas de mata, o vírus é transmitido pelos mosquitos hemagogus e sabethes, que vivem nas copas das árvores, e preferem o sangue dos macacos. Mas quando esses animais são mortos, as fêmeas podem voar mais baixo e mais longe para buscar o sangue humano.

Os macacos ainda são aliados no combate à doença, porque quando um deles é encontrado com febre amarela numa floresta ou parque, por exemplo, isso é um sinal para as autoridades, que podem isolar a área ou liberar o acesso só para quem foi vacinado.

“Os macacos mortos vão ter que ser investigados quanto à fonte de infecção, do que eles morreram, e vai sobrecarregar o sistema de diagnóstico nos laboratórios, que são os mesmos laboratórios de diagnóstico dos humanos e dos macacos que de fato estão com febre amarela”, explicou Ricardo Lourenço, pesquisador do instituto Oswaldo Cruz.

A situação é tão grave que pesquisadores do Instituto Oswaldo Cruz estão em campanha nas redes sociais. “Nós não vamos nos proteger matando macacos. Os macacos são vítimas da infecção e nos ajudam a identificar onde há transmissão de fato. Então nós não temos que matar macaco. Matar macaco não serve para absolutamente nada”, afirmou Ricardo Lourenço.

Matar ou agredir macacos – ou qualquer animal silvestre – é crime ambiental, com pena de até um ano de prisão e multa.

(Com informações do Jornal Nacional/TV Globo)
(Foto: Luiz Aranha/Gazeta do Interior)

Cidades Destaques Últimas Notícias , , , ,

Related Posts