Índice de vacinação contra febre amarela em Potirendaba atinge 113%

Posted by at 16:57 Comments Print

O surto de febre amarela no estado de São Paulo fez a procura pela vacina contra a doença disparar em Potirendaba. Os índices de vacinação atingiram esta semana 113% do total de habitantes do município.

Segundo a chefe da vigilância epidemiológica da cidade, Luana Poiana, o levantamento feito na cidade de 1998 até 2017 aponta que 18.535 pessoas foram vacinadas no município, sendo que o total de habitantes é de 16.296.

“Esses números apontam que vem pessoas de fora vacinar na cidade e nós não podemos negar vacina, pois o cidadão tem direito em vacinar em qualquer unidade de saúde do País. Só nestes primeiros dias de janeiro a procura pela vacina triplicou em Potirendaba”, diz Luana.

Ainda de acordo com ela, na cidade eram aplicadas 7 doses por dia e agora este número saltou para 21. Luana alerta ainda que mais importante que a vacina é a prevenção.

“É importante o uso do repelente, recém nascidos como não podem tomar a vacina, as mães devem colocar o mosquiteiro e mais que tudo isso, vale o alerta para não deixar água parada em casa que serve como o criadouro do mosquito da dengue que na área urbana transmite a doença”, fala a chefe.

Toda essa procura ocorre depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS), incluiu o Estado de São Paulo como área de risco de febre amarela na última terça-feira (16/01/2018). Segundo o secretariado da entidade, a decisão foi tomada “considerando o aumento da atividade do vírus” observado na região.

Consequentemente, a vacinação contra a febre amarela é recomendada para viajantes estrangeiros que visitem qualquer área no estado de São Paulo”, diz a OMS, em comunicado.

A decisão da OMS de classificar São Paulo como área de risco não quer dizer que haja perigo de contágio em todo o Estado. Como as autoridades de outros países não podem saber para que área do São Paulo cada viajante visitará, é praxe a OMS incluir todo o estado, mesmo em que áreas dele não sejam foco da doença.

Em 2016 um macaco foi encontrado com febre amarela em Potirendaba e depois disso vários outros animais foram encontrados mortos, porém sem a doença. Luana alerta para jamais matar ou maltratar os animais.

Tivemos casos em Potirendaba de encontrar macacos mortos com fratura exposta, atropelados. Infelizmente as pessoas ainda tem a visão errada de que é o macaco que transmite, só que o macaco não tem nada a ver com isso, ele apenas pode portar o vírus, assim como nós humanos”, explica.

A FEBRE AMARELA:

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por mosquitos. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos.

As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

A febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central, além de em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue).

A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina contra ela circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano.

Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

(Foto: Luiz Aranha/Gazeta do Interior)
(Fonte: Ministério da Saúde)

Destaques Saúde Últimas Notícias Vídeos , , , , ,

Related Posts