Funcionária do RH de Bady Bassitt é investigada por desvio de verba pública

Posted by at 11:58 Comments Print

A Prefeitura de Bady Bassitt abriu uma sindicância para apurar suspeita de desvio de verba pública no pagamento de funcionários. A investigada seria a encarregada do setor de pessoal que é funcionária concursada.

Segundo a apuração da Gazeta do Interior, a denúncia partiu depois que um funcionário da prefeitura teve acesso à folha de pagamento do departamento de Recursos Humanos que é encaminhada à tesouraria. No documento, o funcionário descobriu que havia pagamentos de horas extras, em excesso, à funcionária.

Um decreto municipal assinado recentemente pelo prefeito, Luiz Antonio Tobardini, proíbe a realização de horas extras por quaisquer funcionários municipais. O servidor então decidiu questionar o prefeito sobre os pagamentos, pois também queria receber o benefício. Tobardini desconheceu tal pagamento e recomendou a instauração da sindicância.

Nossa reportagem descobriu ainda que a mulher alterava as ordens de pagamento dos funcionários que era encaminhada ao banco, desviando assim parte do pagamento dos servidores. Outra possível irregularidade estaria no pagamento de férias, onde desviava também parte do benefício e ficava com outro montante.

Três funcionários foram designados para apurar as possíveis irregularidades na sindicância aberta no último dia 03/05. Lilian Margarete Ferreira do Nascimento, presidente da Comissão, fala que a investigação ainda está na fase de levantamento de documentos.

“Solicitamos ao banco a documentação do fluxo da folha de pagamento dos funcionários e dentro de dez dias acredito que já poderemos analisar e ter alguma conclusão. Ainda não há nada provado e tudo está sendo investigado com a máxima cautela, pois estamos falando de dinheiro público”, ressalta.

Para poder apurar o caso, o prefeito então decidiu dar férias à funcionária que já estava com férias vencidas e também para não atrapalhar as investigações. Outra possível irregularidade apurada pela nossa reportagem seria que a servidora realizava os serviços através de computadores de sua própria casa, não comparecendo ao serviço.

Durante toda manhã desta sexta-feira (11/05/2018), nossa produção tentou contato com a investigada, porém ela não atendeu nossas ligações para falar sobre o assunto. A Gazeta vai continuar acompanhando o caso.

(Foto: Luiz Aranha/Gazeta do Interior)

Cidades Destaques Últimas Notícias , ,

Related Posts