Em Nova Aliança, passageiros são embarcados no meio da rua porque Pevê Tur diz que ‘custa caro’ parar no ponto

Posted by at 11:17 Comments Print

Passageiros do transporte coletivo da empresa Pevê Tur de Nova Aliança estão sendo obrigados a pegar o ônibus no meio da rua porque a empresa alega que custa caro dar a volta no quarteirão, fazer o contorno e embarcar os passageiros no ponto. Uma reunião na tarde desta última terça-feira (29/08/2017) entre prefeitura, empresa e Polícia Militar pretende colocar um fim nesse sofrimento dos usuários.

O ponto recém inaugurado na praça da Matriz serve de abrigo aos passageiros da área central da cidade que dependem pegar o coletivo naquele local. Os 22 horários do itinerário que seguem para São José do Rio Preto diariamente, saem da rodoviária e passam pela praça.

Acontece que o problema está na hora em que o ônibus vem da rodoviária e passam pelo ponto. Os motoristas, ao invés de contornarem o trajeto no quarteirão e estacionarem o veículo no ponto, estão realizando a parada em frente à base da Polícia Militar da cidade, atrapalhando a saída de viaturas e o mais grave: colocando a vida dos passageiros em risco.

Quando o ônibus para na calçada do outro lado da rua, Gabriela de Fátima Hipólito, de 32 anos, é obrigada a sair correndo com a filha no colo e atravessar, muitas das vezes, na frente dos carros, para poder embarcar. “Toda vez é esse sofrimento. Esses dias que estava chovendo, uma senhora foi sair correndo aqui, escorregou, caiu e quebrou os dentes. É lamentável uma situação dessas. Parece que estamos pedindo favor, ter que sair correndo atrás de ônibus, de baixo de chuva”, reclama a dona de casa que leva a menina em Rio Preto no médico duas vezes por semana.

O estudante Pedro Henrique de Oliveira, de 16 anos, é outro que sofre todos os dias com o problema. Ele pega o coletivo às 6h00 para estudar em Rio Preto e diz que já teve dia do veículo não esperar todo mundo. “As pessoas ficam sentadas e tem idosos que não conseguem ir correndo e já vi várias vezes o ônibus indo embora sem embarcar todo mundo, pois parece que o motorista tem pressa, já que está ele errado”, diz.

Ontem à tarde, o gerente administrativo da Pevê Tur, Aparecido Vanderlei Ioca, se reuniu com o prefeito da cidade e com a Polícia Militar para solucionar o problema. A prefeitura pedia para que a empresa contornasse o quarteirão para poder estacionar o veículo do lado correto e embarcar os passageiros no ponto.

Ioca apresentou números ao prefeito da cidade da quantidade de combustível gasta para que os veículos contornem o quarteirão. “São 22 horários a R$ 400 por dia nesse percurso, no final do mês dá mais de R$ 8 mil. Um ônibus faz três quilômetros com um litro de óleo. Precisamos ver os números”, falou na reunião.

A Polícia Militar disse que caso os ônibus continuassem embarcando passageiros no meio da rua, os motoristas poderiam começar a ser multados. Após quase uma hora de negociação, a Pevê Tur cedeu e disse que começará a efetuar o embarque no ponto correto dentro do prazo de dez dias.

Outro pedido da prefeitura era para que a empresa mantivesse o horário que vem de Rio Preto para Nova Aliança às 22h00. A empresa pretendia alterar o horário para às 22h30, mas também concordou, já que diversas pessoas que trabalham em comércios como em shopping’s, dependem daquele horário para voltar à cidade.

A Gazeta do Interior vai continuar acompanhando este caso e fiscalizando se o acordo vem sendo cumprido.

(Foto: Luiz Aranha/Gazeta do Interior)

Cidades Destaques Últimas Notícias , ,

Related Posts