Dia Internacional do Idoso alerta para o aumento nos casos de HIV na terceira idade

Posted by at 12:20 Comments Print

Os últimos dados do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde, publicado em dezembro de 2018, chamam atenção para o número de diagnósticos de HIV em pessoas da terceira idade. De 2007 a 2017, o número de casos cresceu sete vezes. Em mulheres com 60 anos ou mais, foi observado um aumento de 21,2% quando comparado ao mesmo período.

O Dia Internacional do Idoso, comemorado neste dia (01/10/2019), pode ser uma oportunidade para discussão sobre a prevenção do HIV na terceira idade e para refletir sobre os motivos pelos quais ainda se registram tantos diagnósticos em uma era de tratamento, prevenção e informação como a de hoje.

“Com o aumento de parcerias sexuais na terceira idade, cada vez mais este grupo torna-se vulnerável a contrair o HIV e outras infecções sexualmente transmissíveis. Um dos principais motivos para isso é que alguns assuntos ainda são tabus na nossa sociedade, como o uso de preservativos por esta geração”, diz a médica infectologista, Rita Manzano Sarti, que também é diretora médica da Gilead Sciences – biofarmacêutica que tem o HIV/AIDS como uma de suas principais áreas terapêuticas de pesquisa e desenvolvimento.

Segundo especialistas, este aumento excessivo de casos de HIV na 3ª Idade também está atrelado à redescoberta do sexo por meio de medicações para impotência sexual e ao fato de que a maioria desta geração não aderiu à cultura do uso do preservativo, não se atentando ao risco de contrair o vírus.

“Por isso a informação e a quebra de tabu são importantes. É preciso falar abertamente sobre sexualidade e orientar as pessoas, independentemente da idade, sobre todas as formas de prevenção, não somente o uso do preservativo”, conclui a médica.

Sobre isso, Rita explica que surgiram ao longo do tempo outras ferramentas eficientes e complementares para a prevenção do HIV/Aids. Chamada de Prevenção Combinada, esse conjunto de estratégias faz uso simultâneo de diferentes abordagens de prevenção e garante a proteção ideal para determinados públicos como as populações-chave e prioritárias.

Entre elas destaca-se a PrEP (Profilaxia Pré-Exposição), que consiste na utilização de medicamento antirretroviral por indivíduos que não estão infectados pelo HIV, mas que se encontram em situação de vulnerabilidade.

Outro alerta é que a população idosa contaminada pelo HIV pode apresentar comorbidades como insuficiência renal, perda de massa óssea, doenças do fígado, alterações metabólicas, cardiovasculares e declínio cognitivo. Além disso, a tuberculose é a principal causa de morte relacionada à Aids, sendo responsável por cerca de 1/3 dos óbitos.

(Foto: Divulgação)

Destaques Saúde Últimas Notícias , ,

Related Posts