Caminhões de cana obrigam aposentado à mudar de cidade

Postado por em 9:27 Comentários Imprimir

Com 64 anos de idade, Luis Sergio Siqueira, aposentado, sofreu um derrame e decidiu viver a vida em um lugar que trouxesse sossego e paz durante a velhice, mas esse sonho virou pesadelo. Morador há dez meses do bairro Vila Ventura, de Ibirá, o homem mudou  da cidade no último dia 06, por conta do transtorno provocado pelos caminhões de cana que passam diariamente em frente a casa onde mora.

Foram dez meses morando em um lugar que era para trazer sossego e paz, virou um pesadelo desde dezembro, quando voltou à safra de cana, aposentado, cansou de esperar por uma solução e decidiu resolver o seu problema: mudar de cidade.

Há anos sofrem os moradores deste local sofrem com os problemas causados pelos caminhões de cana da usina. Rachaduras nas casas, poeira, barulho intenso durante a madrugada, esse são só alguns dos transtornos enfrentados diariamente pelos moradores desde que a safra de cana de açúcar retomou.

Mesmo com quatro placas espalhadas pelas entradas do bairro alertando a proibição de trânsito de caminhões pelo local, eles não respeitam e cortam o bairro livremente. Placas essas que foram compradas e instaladas pelo próprio aposentado, com autorização da prefeitura de Ibirá, que desembolsou R$ 1,3 mil.

“As brigas aqui vem há seis anos pelo menos, mas o pessoal é humilde, são aquelas brigas de boca a boca que não acontece nada. Eu fui atrás de leis, atrás de sinalização, falar com o prefeito e os vereadores”, conta Siqueira.

Luis que havia se mudado no ano passado, cansado de esperar soluções, resolveu tomar uma atitude. Ele começou a desafiar os motoristas dos caminhões e brigar por seus direitos. Há cerca de dois meses ele começou a registrar boletins de ocorrência e a Polícia Militar chegou a multar algumas vezes os motoristas, mas para a multa valer realmente a prefeitura de Ibirá precisa de um convênio com a PM para que a multa possa ser aplicada aos motoristas.

Com isso, o departamento jurídico das usinas recorria das multas e evitavam o pagamento e os pontos na habilitação dos motoristas. E assim, os motoristas dos caminhões, achando que vivem numa terra sem leis, continuavam a transitar livremente pelo bairro.

O aposentado foi além. Sem conseguir dormir à noite, ele tomou uma atitude mais ofensiva e ao perceber que vinha algum caminhão, ele colocava cavaletes na rua para impedir a passagem dos veículos. Em uma das oportunidades, ele chegou a colocar os dois carros no meio da rua para impedir o trânsito.

Ele conta que segurava os motoristas dos caminhões por duas ou até três horas, depois liberava a passagem. Outras vezes tentando impedir o trânsito de caminhões com o próprio corpo, motoristas ameaçavam o homem e que se não saísse da frente passariam com o veículo em cima do aposentado.

Se o trânsito é intenso durante a madrugada e o Luis impedia a passagem por horas, onde é que transitava os outros caminhões? É simples, eles pegavam o desvio, o caminho correto a seguir pelo bairro Vila Nova, onde se resume a apenas uma casa na estrada vicinal. Em tese não atrapalharia ninguém e esse desvio dá apenas 6 quilômetros a mais até a rotatória da Vila Ventura, na rodovia Vicinal Roberto Mario Perosa. Se o caminhão seguir sentido Urupês, o desvio é ainda menor.

Percorrer por esse desvio, os motoristas andariam mais em estrada de terra. Os condutores preferem andar 200 metros em local proibido e causar enormes transtornos à cerca de 60 moradores do bairro do que andar 2,5 Km para voltar a sair em uma pista asfaltada.

Em Ibirá existe em vigor a lei Nº 1.951, de 8 de junho de 2010, que estabelece normas ao tráfego de caminhões de grande porte, prestes há completar três anos e sem resolver o problema.

O prefeito Nivaldo Domingos Negrão, enviou projeto de lei à Câmara Municipal, que propõe dar à Polícia Militar o convênio, podendo multar de fato os motoristas que desrespeitarem a lei. No caso seria infração média, o que acarretaria multa no valor de R$ 85,12, além de 4 pontos na carteira de habilitação do condutor.

A proposta foi aprovada por 4 votos a favor e 3 contra e dentro de 30 dias deverá entrar em vigor e os motoristas serão penalizados, acabando assim com o recurso que cabia a eles.

Luis Sergio Siqueira vai mudar para Marília na próxima segunda-feira, dia 13. A casa que ele irá deixar já tem o aluguel pago até janeiro de 2014, totalizando um prejuízo de R$ 4 mil.

Antônio Marcos, supervisor de transportes da Usina São Domingos, disse que não tem desvio para passar por outro local. Questionado sobre a rota alternativa pelo bairro Vila Nova, o funcionária fala que mesmo assim o problema continuaria. “Esse desvio tira de uma vila para outra. A gente passa 40 anos pela Vila Ventura e o que adianta se lá tem gente e na Vila Nova também tem gente”, questiona o supervisor.

* Matéria publicada na edição de Maio de 2013 no jornal Gazeta do Interior

Foto: Diogo De Maman

Cidades Destaques Últimas Notícias , , ,

Relacionadas

Redes Sociais

Photo Gallery