Após 5 meses, Bombeiros retomam buscas por 11 desaparecidos em Brumadinho (MG)

Posted by at 9:55 Comments Print

Quinta-feira, 27 de agosto de 2020

Após mais de cinco meses, o Corpo de Bombeiros retoma, nesta quinta-feira (27/08/2020), as buscas pelas vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (MG). Segundo o Portal de Notícias, G1, elas foram suspensas no dia 21 de março, por causa da pandemia do novo coronavírus.

O rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão da Vale deixou 259 pessoas mortas e 11 continuam desaparecidas. No dia 25 de julho, quando a tragédia completou um ano e meio, parentes pediram a retomada dos trabalhos. Quando o anúncio da retomada foi feito, em 10 de agosto, eles comemoraram, mas se disseram surpreendidos por terem recebido a notícia pela imprensa.

Após várias tratativas com a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) e demais órgãos envolvidos, os bombeiros tiveram aprovado o protocolo que regulamenta a retomada das atividades, resguardando práticas de proteção ao enfrentamento da Covid-19.

Um efetivo de aproximadamente 60 militares vai trabalhar no perímetro da tragédia, que foi devidamente preservado, segundo o Corpo de Bombeiros.

“A interrupção foi necessária pois o mundo enfrentava algo totalmente desconhecido e o momento exigia uma pausa, pelo bem de nossos bombeiros militares, funcionários da mineradora, operadores de máquinas e terceirizados que conviviam em ambiente comum e propenso a contaminação. A operação reúne indivíduos de diferentes regiões do estado, por tudo isso, fez-se necessário agir com senso de responsabilidade e prudência para evitar que a pandemia ganhasse terreno”, disse o coronel dos Bombeiros, Alexandre Gomes Rodrigues, em entrevista ao G1.

Para Rodrigues, a dificuldade do trabalho nesta retomada é porque o terreno possui alguns cursos de rios, córregos, e ribeirões, que deixam o local muito molhado e, consequentemente, compactado. “Isso reduz a visualização da parte interna dos rejeitos, o que atrapalha os trabalhos, além da grande dificuldade de deslocamento dos militares durante a busca”.

(Foto: Raquel Freitas/G1)

Destaques Nacional Últimas Notícias , ,

Related Posts