Acusados de sequestro, tortura e homicídio em Potirendaba são condenados a quase 30 anos de prisão

Posted by at 11:51 Comments Print

O trabalho detalhado do setor de investigação da Polícia Civil de Potirendaba condenou a quase 30 anos os três acusados de terem matado Iraildo Martiliano Cabral, no dia 26 de agosto de 2012. Na época, o rapaz com 28 anos teria sido sequestrado, torturado e morto em um canavial da cidade.

O júri popular aconteceu na tarde desta última quinta-feira (18), no fórum de Potirendaba. Erik Gomes Machado e Adriano Carvalho Clemente foram condenados a 26 anos de prisão. Já Alexandre Ferreira de Araujo a 29 anos.

Após um minucioso trabalho de investigação da Polícia Civil de Potirendaba é que foi possível esclarecer o caso. Os três sequestraram, torturaram, mataram e ainda ocultaram o corpo de Iraildo, em um canavial de um bairro rural da cidade.

Após matarem Cabral, cada um deles fugiu para uma cidade diferente para não deixar pistas. Mais de um ano depois, a polícia conseguiu chegar até eles através de uma série de investigações rigorosas como escutas telefônicas e diligências.

Na época, Alexandre contou à polícia que a vítima teria o esfaqueado dias antes em Potirendaba e por isso quis se vingar da vítima. Trecho do depoimento dele diz que Iraildo estava bebendo em um bar da cidade quando foi sequestrado por Alexandre e Erik.

Araujo diz que levou Iraildo para o canavial com o carro de Erik, mas não o matou. Lá a vítima foi agredida com socos, chutes e apenas ficou desacordada. Versão confirmada por Erik. Ele também contou à polícia que apenas emprestou o carro e estava junto, mas também negou que tivesse matado ele. O veículo usado no crime foi periciado e materiais foram coletados como prova.

Os três foram condenados por sequestro, ocultação de cadáver e homicídio triplamente qualificado.

O CRIME:

O homicídio aconteceu em um canavial, no dia 26 de agosto de 2012 no quilômetro 5 da rodovia José Coiado Santiago que liga Potirendaba ao bairro Cana do Reino. O corpo de Iraildo foi encontrado, dez dias depois, através de denúncia anônima, já em estado avançado de decomposição, com várias perfurações aparentando ter sido feitas com chave de fenda e com as roupas abaixadas.

A polícia também chegou a investigar a hipótese dos suspeitos terem abuso sexualmente da vítima antes de matá-la, mas foi descartada. No local do crime a polícia encontrou objetos pessoais de Iraildo como a carteira, chinelo e roupas.

Cidades Últimas Notícias , , , ,

Related Posts